Carregando Post...

Deixo de ser só pra ser nós. Você topa?

imagem

Cada fase pela qual passo (e não estaciono) me sinto cada vez mais diferente, menos fraca e mais só. Mas é uma solidão boa, sabe? Não aquela que te faz relembrar de um passado que aparentemente foi e ainda é melhor do que o nosso presente. E nem aquele tipo que a gente, muitas vezes sem querer, começa a mendigar qualquer atenção ou consideração alheia. A minha é aquela que você pode até passar pela fase do luto, só que depois consegue desembaçar o próprio reflexo do espelho, finalmente enxergando quem é e o que sobrou de você após um furacão.

Chegou um tempo em que eu não tinha tudo, mas tinha tanta gente à minha volta que nem havia espaço pra tristeza. A cabeça sempre ocupada, e o coração também. Porém, bem aos poucos, começaram as desped(idas). Algumas com justificativas, outras me pegaram totalmente desprevenida. É difícil entender como alguém que te colocou sorrisos no rosto pode, depois, te deixar feridas na alma. Essa realidade me assustava no princípio. Sentia falta daqueles que chamava de "amigos" e saudades daquela amizade que parecia me ver muito mais do que uma amiga. E daí me enganei. Mais uma vez.

Preferi me excluir por um tempo. Precisava do silêncio do meu lar pra contrastar com o barulho do meu interior. E foi assim que minha ficha nem caiu, ela despencou: dependia de qualquer um (que me sorria e me chamava pra perto), menos de mim mesma. Com o rosto inchado e a sensação de ter sido abandonada, levantei do chão e me encarei. Aquela não era eu. Enxuguei as lágrimas e coloquei a mão no coração, ele estava gelado por dentro depois de tanta decepção. Mas pensei: se não posso mudar quem o outro é e o que me fez, resta eu me reinventar e me encontrar. Chega de me decepcionar como todos os demais já fizeram comigo mais de uma vez.

Passei a viver o outro lado daquela solidão. O que antes era frio e vazio, agora se transformara na minha paz. Não precisava mais dar satisfação a ninguém, esperar a chegada ou ter medo da partida, forçar estar feliz ou sorrir por causa da maioria. Não precisava mais ser carregada ou arrastada pela maré, pois agora andava com meus próprios pés. Acho que a felicidade é parecida com o que hoje sinto: liberdade de ser quem sou, me sentir à vontade na minha própria pele, e partir pra onde quero ir, com ou sem companhia. Percebi que não preciso de multidão, se não é ela que vai fazer bem para o meu coração.

Mas confesso que deixaria de ser tão só pra virar nós. Pois você, diferente dos amores que achei que iriam durar, não quer me dominar ou mudar. Apenas me olha e sorri, como se sentisse bem aqui. Se for isso, se for assim, diga e demonstre pra mim, porque cansei de sonhar demais se depois a realidade não vai me alcançar. Não deixe eu querer me afastar por causa do seu "talvez". A gente não sabe se a nossa vida é curta, só que quantas vezes a gente a encurta por medo de viver?


Comentários

Deixe um Comentário

Posts Recentes

24/Novembro/2017

Se é AMOR, não traz dor

10/Outubro/2017

Ela não endureceu. Ela...

15/Setembro/2017

Relações rasas. Pessoas...

Categorias


Onde estamos ? clique no mapaFechar Mapa

Entre em Contato

Escreva para nós, estamos a sua disposição!

Telefone

(18) 3262-1792

(18) 99665-1279

Email

contato@diariodeumasobrevivente.com.br

Localização

Presidente Bernardes - SP